Linha de Pesquisa

Tecnologia de Educação e Saúde para Escola Inclusiva

Histórico: A referida Linha de Pesquisa iniciou a partir de demandas por tecnologias de gestão de ensino para Escola Inclusiva. Existe um conjunto de legislação que determina que crianças com deficiência devam frequentar escolas regulares e não mais escolas especiais. Considerando a escassez de recursos pedagógicos específicos para auxiliar o processo ensino aprendizagem da criança com deficiência, profissionais das áreas de educação e saúde procuraram as Equipes do INT com propostas de parcerias na construção de soluções para viabilizar não só o ensino de crianças com deficiências, assim como avaliar a evolução intelectual e social destes alunos. O objetivo maior desta Linha de Pesquisa e o desenvolvimento de soluções de Tecnologia Assistiva para suporte ao processo de ensino-aprendizagem da pessoa com deficiência.

Projeto atual: “Gestão escolar para Escola Inclusiva: metodologias de ensino e objetos pedagógicos como facilitadores do processo ensino-aprendizagem da pessoa com deficiência”.

Resumo: A pesquisa a ser desenvolvida visa consolidar resultados de dois projetos anteriores realizados com apoio da FAPERJ nos períodos 2009-2010 e 2012-2013. Questões relacionadas à deficiência sejam físicas ou intelectuais, se apresentam como desafios a serem superados por professores, gestores, especialistas, pais e alunos e demais profissionais envolvidos com Educação, que atuam em constante colaboração em prol da melhoria do Ensino da pessoa com deficiência. A gestão escolar é apontada na literatura e em documentos oficiais, como fundamental para o desenvolvimento da educação escolar, quando realizada de forma democrática, com a participação da comunidade nas fases de planejamento, execução, acompanhamento e avaliação. O trabalho do gestor envolve articular a diversidade, construir um ambiente educacional que promova a formação dos alunos, coordenar, mobilizar, incentivar, liderar e delegar aos membros que compõem sua equipe atribuições e tarefas desenvolvidas na escola. Para darmos prosseguimento a nova etapa da pesquisa, pretendemos identificar e comparar as representações sociais de “escolas que dão certo”, isto é, de escolas bem sucedidas, de gestores escolares de 20 instituições públicas do Estado do Rio de Janeiro, a fim de verificar que práticas desenvolvem em seu contexto de trabalho em prol da consolidação da Escola Inclusiva.

Vigência: 2014-2015

Equipe (em outubro/2016)

  1. Caio Santos (Bolsista PIBITI)
  2. Evellyn de Assis (Bolsista FUNCATE)
  3. Homero Pires (Bolsista PCI)
  4. Gabriel Mendes (Bolsista PCI)
  5. Gabrielle da Silva (Estagiário CIEE)
  6. Janete Cicero (Servidora)
  7. Juliana Spinelli (Estagiária CIEE)
  8. Leonardo Nóbrega (Bolsista PCI)
  9. Raquel Santos (Estagiária CIEE)
  10. Rafael Dedis (Bolsista PCI)
  11. Saul Mizrahi (Servidor)